Conhece a hormona da juventude?

Hormonas são mensageiros químicos que dizem aos nossos órgãos e células o que fazer, sincronizando todas as suas funções. Os desequilíbrios hormonais desempenham um papel direto no declínio da nossa performance física, emocional e cognitiva, promovendo o envelhecimento. Apesar de todas as discussões, cada vez mais pesquisas sustentadas comprovam os benefícios na otimização dos níveis de DHEA.


A DHEA é o precursor de hormonas mais comum no corpo, e os baixos níveis de DHEA estão associados ao aumento do risco cardiovascular, diabetes, obesidade, perda de energia e de performance sexual, depressão e até mesmo envelhecimento visível da pele.


Só nos últimos anos, surgiram comprovações científicas significativas dos efeitos anti-envelhecimento da DHEA. Finalmente, entre os seus vários benefícios, os seus efeitos neuroprotetores são agora reconhecidos como vitais na proteção da memória e na redução dos sintomas depressivos em adultos mais velhos. Mas não ficamos por aqui. Querem saber mais?

O que é a DHEA?

O nome é longo e ao início complicado de se dizer: DHEA – abreviação de Dihidroepiandrosterona, uma hormona produzida principalmente nas glândulas supra-renais, sendo a mais abundante de todas as hormonas e uma das fontes das hormonas sexuais. O seu declínio progressivo é uma consequência inevitável do envelhecimento e contribui para o aparecimento de doenças degenerativas.

O seu pico de produção ocorre em torno dos 20 anos de idade e a partir dos 30 o organismo passa a reduzir a sua produção, pelo que os níveis da hormona DHEA começam a declinar.

Com o processo de envelhecimento, os nossos níveis de cortisol vão subindo, ao contrário da hormona DHEA, que diminui, tendo como consequências:

  • envelhecimento cerebral, com redução da capacidade cognitiva

  • perda de memória

  • baixa imunidade

  • graus mais avançados de aterosclerose

  • maior incidência de doenças cardiovasculares

  • osteoporose

  • perda de massa magra, etc..

Esta hormona tem sido tão estudada que atualmente tem sido utilizada como marcador biológico do envelhecimento.


Qual a relação com o envelhecimento?