Fadiga crónica – quando o cansaço não é normal

Sente um cansaço implacável, que parece não responder a nenhuma intervenção? Talvez já tenha ido ao médico e não há nenhuma causa aparente? Podem ser várias as causas e por vezes é mesmo difícil chegar a um diagnóstico.


O cansaço é uma das queixas de saúde mais comuns, mas nem sempre a sua causa é fácil de determinar. Convido-vos a ler este artigo para descobrirmos algumas causas pouco conhecidas de fadiga, que devem ser descartadas se já está a alimentar-se bem e a dormir o suficiente, mas mesmo assim ainda se sente cansado o tempo todo.


Quando pode ser síndrome da fadiga crónica

A síndrome da fadiga crónica é um desequilíbrio complicado, caracterizado por uma fadiga extrema que não pode ser explicada por outra qualquer condição médica subjacente. A fadiga pode piorar com atividade física ou mental, mas não melhora com o repouso.

A síndrome da fadiga crónica tem sinais e sintomas oficiais, além do sintoma central que dá o nome ao quadro:

  • Fadiga;

  • Perda de memória ou concentração;

  • Dor de garganta;

  • Gânglios linfáticos aumentados no pescoço ou axilas;

  • Dor muscular inexplicável;

  • Dor que se move de uma articulação para outra, sem inchaço ou vermelhidão;

  • Dor de cabeça de um novo tipo, padrão ou gravidade;

  • Exaustão extrema, que dura mais de 24 horas após um exercício físico ou mental.

Quando pode ser fadiga adrenal

Provavelmente já terá ouvido da síndrome de fadiga adrenal. Embora haja alguma controvérsia sobre se a fadiga adrenal é ou não um diagnóstico legítimo, não há dúvida de que os sintomas são muito reais.


Com a fadiga adrenal, algumas pessoas são informadas sobre os sintomas permanecerem por meses antes de obterem um diagnóstico adequado. Outras apenas têm alguns dos seus sintomas “tratados”, sem nenhuma razão clara para terem tido esses mesmos sintomas. As análises de sangue nem sempre fornecem uma imagem perfeita do que está a acontecer no nosso corpo e, muitas vezes, quando o médico não tem conhecimento sobre um distúrbio como a fadiga adrenal, é muito fácil passar despercebido.


A verdade é que a maioria das pessoas passa por sintomas associados à fadiga adrenal pelo menos uma vez durante a vida. A fadiga adrenal pode começar por uma sensação de névoa cerebral, ganho de peso e depressão, podendo levar à queda de cabelo, cansaço extremo, apatia e até problemas intestinais.


Entre outros sintomas que indicam que pode ter fadiga adrenal:

  • Falta de energia;

  • Fadiga;

  • Diminuição da capacidade de lidar com o stress;

  • Sentir-se facilmente sobrecarregado;

  • Sensação de sonolência ou nevoeiro à tarde, das 14h às 16h;

  • Fadiga matinal – é difícil "acordar" até às 10h, mesmo que esteja acordado desde as 7h;

  • Ter uma explosão de energia ou cansaço extremo às 18h;

  • Sonolência das 21h às 22h, mas muitas vezes há uma resistência em ir dormir;

  • Desejo de alimentos ricos em sal;

  • Aumento da TPM (tensão pré-menstrual) ou sintomas da menopausa;

  • Depressão leve ou ansiedade;

  • Aumento de alergias;

  • Tonturas ao levantar de uma posição sentada ou deitada;

  • Perda de líbido;

  • Suspiros frequentes ou falta de ar.

Procurar respostas: perceber o porquê

Uma avaliação médica funcional pode ser o primeiro passo para encontrar algumas respostas, onde poderá junto do seu médico trabalhar na pesquisa da raiz do problema e testar algumas das causas subjacentes da fadiga.


Ler mais.