top of page

Perimenopausa – o que a maioria das mulheres com 40 anos não sabe

A perimenopausa é uma viagem única e especial, um período de mudanças que transformam o corpo e a mente das mulheres. Imagine-se num oceano de emoções e sensações, onde as ondas de calor e os ciclos irregulares são apenas parte desse incrível processo de renovação.



Hoje quero abordar um tema fundamental para o bem-estar de muitas mulheres: a perimenopausa. Aos 40 anos, a maioria das mulheres depara-se com mudanças físicas e emocionais que as desafiam a compreender e aceitar esta fase única da vida.

Cada mulher enfrenta esta fase de maneira única: algumas começam por sentir afrontamentos, enquanto outras passam por ela sem qualquer sintoma. E é completamente normal. A verdade é que a perimenopausa é uma expressão da sua singularidade, uma dança única entre as hormonas e a sabedoria interna do seu corpo.


A falta de informação sobre a perimenopausa é uma lacuna que precisamos de preencher. No entanto, aqui estamos nós, a descobrirmos juntas o poder de conhecimento. Imagine uma sala cheia de mulheres a partilhar histórias, a aprender e a empoderar-se. Vamos começar.


As primeiras mudanças hormonais dos 40

A ideia geral, para a maioria das mulheres, é que a menopausa geralmente ocorre em mulheres que estejam na casa dos 50 anos. Mas sabia que as suas hormonas começam a mudar drasticamente já no final dos 30? Isso significa que os seus 40 anos são um período de ajuste e mudanças hormonais, também conhecido como perimenopausa – o primeiro passo na transição para a menopausa. A perimenopausa é um estado de transição prolongado, o que significa que pode durar meses ou anos. A duração média da perimenopausa é de quatro anos mas, para algumas mulheres, pode durar mais de 10 anos.


A principal mudança hormonal que as mulheres experimentam são variações nos níveis de estrogénio, uma hormona feminina que regula os nossos ciclos menstruais. O estrogénio é uma hormona produzida pelos ovários e desempenha muitos papéis no corpo, incluindo proteção contra doenças cardíacas, promoção do desenvolvimento ósseo saudável, crescimento e desenvolvimento da anatomia reprodutiva, e efeitos significativos no nosso humor e níveis de energia.


Durante os anos reprodutivos, a quantidade de estrogénio em circulação sobe e desce, de maneira previsível, ao longo do ciclo menstrual. No entanto, quando uma mulher entra na perimenopausa, a produção de estrogénio nos ovários varia drasticamente, até finalmente diminuir de forma substancial.

A perimenopausa é um período de intensas flutuações hormonais, que inevitavelmente terão um impacto significativo em todas as mulheres. Alguns dos muitos sintomas da perimenopausa incluem:


  • Ondas de calor

  • Suores noturnos

  • Oscilações de humor

  • Secura vaginal

  • Períodos irregulares

  • Dificuldade em perder peso

  • Perda de memória

  • Relações sexuais dolorosas

  • Mudanças na pele e no cabelo.

Então, como podemos fazer um bom caminho através da perimenopausa? Se aprendermos como apoiar o nosso corpo com o que ele precisa e remover aquilo que não precisa, podemos tornar a transição mais fácil e equilibrada. Tal como as mulheres são apoiadas nos seus anos férteis e nos cuidados pré-concepção, um apoio durante a perimenopausa pode ter um grande impacto na vida de uma mulher, bem como em todas as pessoas ao seu redor.


Saúde mental aos 40 anos

E como se já não bastassem todos estes sintomas e mudanças dramáticas nas nossas hormonas, também as emoções entram em desequilíbrio. Cerca de 10-20% das mulheres na perimenopausa passam por oscilações de humor, sendo a depressão um dos principais protagonistas. Estudos revelam que as mulheres na perimenopausa têm o dobro de risco de serem diagnosticadas com transtorno depressivo major do que aquelas que ainda não entraram nessa transição hormonal. O risco de desenvolver sintomas depressivos é quatro vezes maior, especialmente para aquelas que nunca tiveram filhos, nunca usaram antidepressivos anteriormente, ou já sofrem com frequentes ondas de calor.


Quando falamos de ansiedade, embora a conexão não seja tão clara como com a depressão, muitas mulheres relatam experiências ansiosas durante a perimenopausa. As mudanças nos níveis de estrogénio, a falta de sono e as ondas de calor, podem desencadear esta ansiedade.

Sono e fadiga aos 40 anos

Como provavelmente já sabe, as mulheres têm maior probabilidade de desenvolver insónia crónica ao longo da vida, e esse risco aumenta à medida que se aproxima da menopausa. Cerca de 60% das mulheres na perimenopausa relatam sintomas de insónia, várias noites por semana. Esses sintomas incluem cansaço durante o dia, irritabilidade, depressão, dificuldade em adormecer, acordar durante a noite, acordar muito cedo e preocupações persistentes com o sono.


Esses sintomas soam-lhe familiares?

O aumento dos sintomas de insónia durante a perimenopausa está relacionado com as oscilações nos níveis de estrogénio e progesterona, que desempenham um papel crucial no metabolismo da serotonina e outros neurotransmissores que afetam os nossos ciclos sono-vigília. Com menos estrogénio, as mulheres sentem ser mais difícil adormecer, acordam várias vezes de madrugada, têm um sono de qualidade inferior, pioram do humor e apresentam temperaturas corporais mais altas.


Aumento de peso aos 40 anos

Ao longo da vida de uma mulher, a distribuição de gordura muda com as flutuações hormonais. Durante a transição para a menopausa, com a diminuição dos níveis de estrogénio, há uma redução na massa magra e a gordura começa a acumular-se na região abdominal, conhecida como gordura visceral. Isso leva a uma mudança na forma do corpo, resultando numa aparência mais "em formato de maçã", com a teimosa gordurinha na barriga.


As flutuações hormonais, a falta de sono e as mudanças de humor, podem tornar muito difícil perder peso durante a perimenopausa. Para alcançar uma perda de peso eficaz, é necessário um plano alimentar e regime de exercícios personalizados para esta fase hormonal, com aumento do consumo diário de fibra. Pode fazê-lo através de suplementação ou aumentar facilmente a ingestão de fibras, incluindo a casca de psyllium na sua dieta. Natural e derivada de plantas, a casca de psyllium é uma rica fonte de fibras solúveis, que ajudam na perda de peso.


Mas espere: nem tudo é negativo!

A chegada dos 40 anos também é uma experiência única e pessoal para cada mulher. Apesar das mudanças físicas e emocionais, pode ser um momento de autodescoberta e de crescimento. Abraçar este novo capítulo na vida pode trazer uma sensação de renovação e um propósito renovado.

No entanto, antes de deixar os sintomas da perimenopausa sem qualquer suporte, encontre um médico que possa não apenas tratar os sintomas superficiais, mas também identificar e abordar a causa subjacente, para enfrentar a perimenopausa com confiança. É aí que entram os médicos de Medicina Anti-aging que, com um estudo hormonal, podem ajudá-la a ultrapassar esta fase como uma rainha.


Quais são hoje as suas prioridades? Cuidar de si?

A perimenopausa não deve ser temida, mas sim vista como uma fase de renovação e empoderamento. Este é um momento para se nutrir a si mesma, dar menos importância ao que os outros pensam e abraçar os seus sonhos e aspirações pessoais.

Se está a enfrentar sintomas significativos, não hesite em procurar ajuda. Existem várias opções na abordagem dos sintomas da perimenopausa, como terapias hormonais bioidênticas, para equilibrar os níveis hormonais, ou suplementação avançada.


Lembre-se: não há uma abordagem única para a saúde, e estamos aqui para guiá-la nessa jornada única, garantindo que vai aproveitar ao máximo essa fase de liberdade e empoderamento renovado.


Publicado em: miranda.sapo.pt

bottom of page